Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização.

Em 1988, um casal americano-dinamarquês partiu num veleiro para encontrar um lugar onde constituir uma família e plantar uma vinha. Chegaram ao Alentejo, e numa terra de castas brancas plantaram variedades tintas. E assim começa a história dos vinhos Cortes de Cima.

“Gazelle la Goelette” era o nome do veleiro que trouxera Hans e Carrie Jorgensen numa longa viagem desde o outro lado do mundo, pela Baía da Biscaia e em redor da Finisterra.

Em 1988 Hans e Carrie atracaram em Portugal e, no coração do Alentejo, descobriram “Cortes de Cima”. Era apenas terra improdutiva e algumas construções abandonadas, mas lembravam Carrie da sua terra natal: a Califórnia. Hans, que nascera na Dinamarca, ficou simplesmente encantado pelo sol mediterrânico. 

Era o lugar perfeito para assentar,  formar uma família e plantar uma vinha. Vidigueira era a terra das castas brancas mas eles acharam que era o clima ideal para a Syrah, uma variedade do Ródano. Mas a Syrah não era aprovada pelas regras da Denominação de Origem. Hans e Carrie não quiseram saber - eles tinham um sonho.

Começaram a trabalhar o campo, e Hans, um engenheiro, construiu uma barragem. Enquanto a vinha crescia, plantaram girassóis, tomates e melões para pagar as contas. As crianças nasceram – Thomas em 1991 e Anna em 1993.

Por fim, as primeiras uvas chegaram. Em 1998, nascia um Syrah ímpar no Alentejo: escuro, com um equilíbrio fantástico e um final sumptuoso. 

Mas este vinho guardava um segredo. As regras de denominação de origem não permitiam rotular o seu vinho de Syrah. E, assim, eles chamaram-lhe «Incógnito» e apresentaram-no ao mundo. “Incógnito” e Cortes de Cima tornaram-se um sucesso. Um Syrah do Alentejo não voltaria a ser considerado “ilegal”!

Hans Jorgensen

Proprietário/Viticultor e enólogo voador 

Nascido em Dinamarca, Hans formou-se em engenharia mecânica e passou depois vinte anos na Malásia a trabalhar com óleo de palmeira e de coco, borracha, cacau e chá.

Na Malásia, Hans tornou-se piloto – a maneira ideal de se deslocar pela selva tropical. Hans mantém esta tradição viva em Cortes de Cima, usando o seu pequeno avião para observar e visitar e as suas vinhas. 

Carrie Jorgensen

Proprietária/Gerente – Vendas e Marketing

Bisneta de emigrantes açorianos que navegaram da graciosa para os Estados Unidos em 1888, Carrie nasceu na Califórnia, vivendo em São Francisco nos «Swinging 60’s».

Carrie estudou economia na Universidade de Berkeley antes de se mudar para a Malásia, onde conheceu Hans. Desde os primeiros dias da Cortes de Cima, está activamente envolvida tanto na produção como nas vendas, começando com os primeiros melões e tomates, antes de se concentrar nos vinhos e no azeite.