Este site usa cookies.
Os cookies usados no website não armazenam nenhum dado pessoal.
Ao continuar a navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.

Accept & continue browsing

Voltar para às Novidades

Um tinto de talha muito gostoso e sedutor - Cortes de Cima Amphora 2015

92 Pontos - Proposta da Semana - Pedro Garcias - FUGAS Público

"Este vinho fermentou e estagiou 12 meses em talhas de barro não revestido. O lote de castas usadas é moderno (Syrah, Touriga Nacional, Aragonez e Trincadeira), mas o método é bem tradicional - foi levado para o Alentejo pelos Romanos. Trata-se, pois, de um tinto que junta o novo com o antigo, o que, por si só, não é garantia de nada. Neste caso, porém, a aliança resultou. O vinho é muito bom.

A enologia de Cortes de Cima é prodigiosa: faz tudo ou quase tudo bem. Os vinhos, dos mais baratos aos mais caros, parecem desenhados a régua e esquadro. Isto só é possível com enólogos talentosos e também com boas vinhas e boa tecnologia. Não podemos apelidar os vinhos de Cortes de Cima de artesanais, mas seria uma injustiça classificá-los de tecnológicos. Os vinhos tecnológicos sabem quase todos ao mesmo e tanto os tintos como os brancos de Cortes de Cima têm carácter e reflectem as castas e lugar onde são produzidos. A tecnologia, quando bem usada, não é inimiga da franqueza e da pureza de um vinho.

O Cortes de Cima Amphora 2015, pelo método usado, pode ser considerado um pouco mais artesanal. Mas, em boa verdade, o que tem de diferente é apenas o recipiente onde o vinho fermentou e estagiou. Em vez de uma cuba de inox ou de uma barrica, foi feito em talhas de barro. Barro não revestido, que é onde está, digamos, o segredo. Por ser poroso, o barro permite uma lenta mas virtuosa oxigenação do vinho, amacia os taninos do vinho e dá-lhe um carácter aromático distinto. Os vinhos de talha não têm, em geral, a mesma amplitude e opulência dos vinhos estagiados em barricas, sobretudo se forem novas. São mais finos e delicados. Cansam menos e podem ser mais agradáveis de beber.

Por tradição, são vinhos para beber novos. Este Cortes de Cima já tem três anos e isso nota-se. Aos aromas primários da fruta vermelha suculenta junta notas mais complexas de evolução (especiarias, bosque, caça), num registo muito gostoso e sedutor."

92 pontos - Proposta da Semana - Pedro Garcias in Fugas, Público 29 de setembro 2018